domingo, 20 de janeiro de 2019

Ano Onze?

Hoje o Obamatório assinala dez anos de existência. Uma ocasião para celebrar? Nem por isso, não necessariamente. Após uma década de um enorme e continuado esforço de atenção, de reflexão e de elaboração para/sobre/de textos relativamente à politica e à sociedade dos Estados Unidos da América, durante a qual – julgo que é pertinente e relevante sublinhar – nunca um só mês ficou «em branco» (ou negro, dada a cor de fundo deste blog), ou seja, sem pelo menos uma nova entrada, desde 20 de Janeiro de 2009, as sensações que mais registo neste dia (e que, aliás, não são apenas de agora) são de cansaço e de fracasso. Tecnicamente, «oficialmente», formalmente, este espaço inicia igualmente hoje o seu décimo primeiro ano de funcionamento, mas de momento não tenho a certeza de que tal ocorrerá, pelo menos nos mesmos moldes em que tem acontecido até agora.
Criado para combater e, se possível, diminuir, inverter em Portugal (mas não só) os crónicos preconceitos e a insistente desinformação sobre os confrontos partidários nos EUA, características infelizmente constantes de quase toda a comunicação social nacional, e que se podem resumir, muito simplisticamente, em «republicanos maus, democratas bons», há que admitir, com toda a honestidade, que o Obamatório falhou nesta sua missão. Durante os (longos) oito anos dos dois mandatos da presidência de Barack Obama não tiveram «ecos» nos principais jornais e revistas, e estações de rádio e de televisão, as denúncias que aqui regularmente ia fazendo dos diversos casos de incompetência e até criminalidade de que a administração do Nº 44 ia dando provas – aliás, e de certa maneira, as palavras e os actos do Sr. Hussein, dos membros da sua equipa e dos «burros» em geral poucas menções mereciam por parte dos media deste país. Pelo contrário, após a eleição e a tomada de posse de Donald Trump nunca mais faltaram os comentários enviesados e mesmo insultuosos e as notícias descontextualizadas e mesmo falsas em relação a tudo, ou quase, que o Nº 45 preconiza, propõe e pratica, como que emulando o que acontece lá. O exemplo mais recente é a alegação de que DJT teria ordenado ao seu ex- advogado para mentir na investigação ao alegado (enfim, imaginário) «conluio» com os russos, que foi desmentido em comunicado do próprio gabinete de Robert Mueller, no que constituiu uma surpreendente, porque algo rara, intervenção pública daquele! E volto a salientar que o que acontece actualmente com Trump não é inédito: embora seja exacerbada pela sua personalidade belicosa – porém, e invariavelmente, ele limita-se a responder aos ataques de que é alvo – e pelo «choque» que os esquerdistas ainda sentem, mais de dois anos depois, pela derrota de Hillary Clinton, a cada vez mais absurda e ridícula – e frequentemente violenta, verbal e literalmente – campanha de destruição que contra ele é movida replica, no que tem de fundamental, as que foram conduzidas contra Ronald Reagan e contra os George Bush pai e filho.
Porque hoje é igualmente o dia em que Donald Trump celebra o segundo aniversário do início do seu (primeiro?) mandato e, logo, a exacta metade daquele, é de esperar que, infelizmente, a partir de agora a muito patética «resistência» à sua presidência se intensifique e que a (incurável) loucura «progressista» se agrave até à eleição de 2020. Tal foi, e continua a ser, a minha previsão, e no outro lado do Atlântico comentadores como Dennis Prager são da mesma opinião. Para o comprovar nada mais é necessário do que verificar o que os democratas fizeram, ou anunciaram fazer, assim que retomaram, no inicío deste mês, o controlo (não do Congresso como no Público erradamente se escreveu mas sim) da Casa. Após a reeleição, sublinhada por elogios – isto é, por mentiras – hilariantes, típicas do culto da(s) personalidade(s) em que a «sinistra» é pródiga, da cada vez mais caquética e contraditória Nancy Pelosi para speaker, alguns dos seus camaradas não perderam tempo e avançaram com algumas propostas verdadeiramente «úteis» e «viáveis», tais como a impugnação de Trump, a eliminação do colégio eleitoral e a substituição de um subcomité sobre terrorismo por outro sobre (contra) DJT. Entretanto, o shutdown do governo federal mantém-se, apenas porque o PD não quer agora fazer aquilo com que há poucos anos concordava – precisamente, construir, ao longo de toda a fronteira com o México (porque há locais que já a têm), uma muralha contra a imigração ilegal e o tráfico de pessoas e de drogas que habitualmente lhe está associada.
Em Portugal, e nos incompetentes e preguiçosos órgãos de propaganda que se fazem passar por profissionais e reputadas entidades jornalísticas, o recrudescimento da desinformação também se deverá fazer sentir. E num ambiente que está «inquinado» logo à partida, num «jogo» em que os «dados» estão «viciados», ou em que nem todos os «jogadores» têm, pura e simplesmente, oportunidade de «jogar», é infelizmente «normal» e até previsível que uns continuem a ser beneficiados e outros continuem a ser prejudicados. Há aquele que tem presença regular nas três principais estações de televisão nacionais (e em várias de rádio), que publica artigos nos sítios de duas delas, que publica (quatro) livros, sendo um deles (o terceiro) o resultado de uma fantasia, que neste fim-de-semana tem no caderno principal do Expresso um artigo de duas páginas, sempre disseminando omissões, mentiras e manipulações. E há aquele que já foi, comprovadamente, alvo de censura e de discriminação não uma mas sim duas vezes, e que não consegue publicar um livro baseado em textos saídos neste blog – embora, na verdade, tenha outros que também não consegue publicar…
Uma última, mas a mais importante, mensagem que hoje aqui deixo é para os que, nestes últimos dez anos, mais ou menos regularmente, visitaram, leram e divulgaram o Obamatório, ocasionalmente deixando também os seus comentários: muito, muito obrigado pela atenção, pelo interesse, e, sim, pelo encorajamento. Foi por vossa causa que, apesar de por vezes pensar em desistir, nunca o fiz. Todavia, a minha «resistência» também tem limites.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

A mais estúpida de 2018

Seria sempre uma tarefa difícil escolher a mais estúpida frase, declaração, afirmação de 2018 no âmbito da política norte-americana. Essa dificudade só tem aumentado nos últimos anos, devido à crescente agressividade, e até insanidade, da esquerda dos EUA, do Partido Democrata. Porém, foi feita a escolha, e esta revela desde logo um aspecto desagradável e talvez mesmo surpreendente: as três «finalistas», que receberam as «medalhas» com o «bronze», a «prata» e o «ouro» da imbecilidade e da injúria foram todas proferidas por mulheres. Não era suposto elas serem mais sensatas e mais comedidas do que os homens? Aparentemente, e pelo menos na disputa ideológica que acontece no outro lado do Atlântico, não… Assim, e correndo o «risco» de ser apelidado de misógino e de sexista, passo a apresentar…
… O terceiro lugar, que vai para Jessica Valenti, que «tuitou» que Dana Loesch (activista de direita e porta-voz da National Rifle Association, a mais antiga e mais importante organização de defesa e de promoção da segunda emenda da Constituição) «invocando as armas como um meio de evitar violações é desgostoso» (a última palavra foi toda escrita em maiúsculas). Tal posição só é inacreditável para quem não sabe qual a posição dos «burros» neste assunto, que não se importam e até preferem que os cidadãos comuns estejam indefesos perante, e sejam vítimas de, todo o tipo de crimes e de criminosos – que os democratas protegem e promovem – de modo a diminuir ao máximo a possibilidade de que essas armas venham a ser usadas num eventual levantamento popular contra o Estado. Segue-se…
… O segundo lugar, que vai para Joan Walsh, que «tuitou» que a Planned Parenthood (a maior entidade, ou empresa, norte-americana no negócio de execução de abortos e de comercialização do despojos humanos que decorrem daqueles para «investigação» científica, mas que, apesar disso, continua a receber anualmente dezenas de milhões de dólares em fundos públicos alocados pelo Congresso) «está a matar ninguém». Tal posição só é inacreditável para quem não sabe qual a posição dos «burros» neste assunto, em que muitos (a até a maioria?) preconizam que a «interrupção voluntária da gravidez» pode ser feita aos nove meses de gestação; para eles o feto só se torna criança quando sai do ventre da mãe – e não, como a ciência o demonstra, quando passa a ter um coração que bate. Crença que, aliás, é reminiscente daquela que os democratas tinham no século XIX, que «validava» a sua prática esclavagista e que causou a eclosão da guerra civil – a de que os negros eram apenas «três quintos» de um ser humano; não é por acaso que, no final dos anos 60, eles substituíram a segregação pelo infanticídio – mudança consagrada com o caso «Roe vs. Wade» - como a sua grande «causa». Segue-se…       
… O primeiro lugar, que vai para Mika Brzezinski, que numa emissão (em directo) de «Morning Joe», o programa diário matinal que co-apresenta na MSNBC, questionou a moralidade do secretário de Estado, Mike Pompeo, perguntando «aquilo é um patriota a falar? Ou um pretendente a rapaz de rabo de um ditador?» Poder-se-á argumentar que esta ofensa não é mais grave ou revoltante do que alegar que as mulheres não deveriam poder armar-se para se defenderem de violadores, ou que abortar não é matar. No entanto, é precisamente o carácter personalizado e injusto do insulto, juntamente com a dualidade de critérios, a hipocrisia, que demonstram mais uma vez como à esquerda é praticamente impossível encontrar um fluxo minimamente constante e consistente de civismo e de honestidade intelectual, que justificam o «triunfo» deste ano. Note-se como os ataques homofóbicos, a homofobia, mesmo que sob a capa do humor, deixam de ser inaceitáveis… quando são os democratas a fazê-los. Registe-se como Joe Scarborough, apesar das suas sucessivas e cada vez mais ridículas diatribes contra Donald Trump, foi «superado» neste âmbito pela sua colega e esposa. Pretendeu ela afirmar que anteriores responsáveis pelos negócios estrangeiros dos EUA, e os respectivos chefes de Estados que serviram, não mantiveram relações diplomáticas, ainda que contrafeitos, com vários regimes e figuras ditatoriais, ou, vá lá, dúbias? E que alguns deles não adoptaram, ao contrário de Pompeo (que, recorde-se e saliente-se, exerceu previamente o cargo de director da CIA) e de Trump, posições algo embaraçosas? Como John Kerry, que deixou que o seu homólogo do Irão lhe gritasse numa das reuniões relativas ao famigerado acordo que proporcionaria ao fanático regime de Teerão milhões de dólares em notas vindas de Washington? Como Barack Obama, que literalmente prometeu a Vladimir Putin «mais flexibilidade» e que literalmente se curvou perante o rei da Arábia Saudita?      
Entretanto, e infelizmente, já há uma forte «candidata» - a frase e a mulher que a profere – a mais estúpida de 2019. Pouco depois de ser empossada como uma das novas representantes democratas na Casa, Rashida Tlaib, descendente de «palestinianos» e notória anti-semita (rejeita a existência de Israel e apoia a campanha BDS), afirmou publicamente que prometeu a um dos filhos (!!) que «vamos impugnar o f*d*lh** da mãe» - referindo-se, obviamente, a Donald Trump. Mas que «bom» exemplo! Poderia dizer-se que é um arranque de… estrondo se tal não evocasse uma possibilidade perturbante: o que garante que Tlaib não acabe por se fazer explodir no Capitólio depois de gritar «Allahu akbar»?

domingo, 30 de dezembro de 2018

Em 2019 e 2020 será pior

Se algo caracterizou politicamente o ano de 2018 nos Estados Unidos da América foi a crescente violência de democratas, de esquerdistas, contra republicanos, direitistas, volência principalmente verbal mas também, por vezes, física: a lista que John Nolte começou a elaborar em 2015 regista, na última contagem, quase 650 incidentes de vários tipos, que afectaram não apenas cidadãos comuns mas também figuras públicas – os últimos doze meses ficaram igualmente assinalados pelo acentuar da inquietante tendência de políticos do GOP, na administração ou no Congresso, serem incomodados, quiçá ameaçados, no próprio Capitólio (!), nas ruas, em restaurantes, em cinemas, até nas suas casas. Kirstjen Nielsen, Lindsey Graham, Mitch McConnell, Ted Cruz, Sarah Sanders, entre outros, foram alvos de uma táctica de bullying que Maxine Waters, máximo exemplo excrementício da escumalha «progressista», sonora e articuladamente anunciou e incentivou.
Neste aspecto 2018 foi pior do que 2016 e 2017, mas, infelizmente, deverá ser superado por 2019 e 2020, à medida, compreensivelmente, que ficar menos distante no tempo a próxima eleição presidencial. Donald Trump continua(rá) a ser, obviamente, o alvo principal da mais intensa, insana, campanha de ódio – expressa tanto em, sim, fake news, notícias falsas como em «análises», «comentários» insultuosos – alguma vez vista nos EUA contra um presidente, mas tal não o afecta muito, quanto mais não seja porque, de certo modo, ele «se põe a jeito» para isso pelo seu estilo. O «caos» que ele supostamente estará a inflingir ao país, de que os seus opositores o acusam, mais não é do que a projecção que aqueles fazem do seu estado de espírito… e do estado da sua ideologia, cada vez mais em perigo devido à acção implacável da actual administração. Pelo que o consequente e crescente desespero traduz-se nas mais inacreditáveis – e quantas vezes hilariantes – mentiras, insinuações, distorções. Variações, enfim, de dois risíveis «motes» centrais: o Nº 45 é um ditador em potência que quer impôr ao país uma ditadura efectiva; e é um agente, «fantoche», lacaio, de potências estrangeiras – a Rússia, a Arábia Saudita, ambas, ou outras. Evidentemente, e ao contrário do que os delírios histéricos de pessoas com inegáveis problemas mentais como Malcolm Nance podem dar a entender, nenhuma daquelas acusações até hoje foi provada.
Eis o cerne da questão: DJT cometeu o (duplo) «pecado» imperdoável de ter derrotado a «escolhida», a «predestinada» (ou nem tanto como isso…) Hillary Clinton na corrida para a Casa Branca, e, ao mesmo tempo, cobrir de ridículo todos aqueles (e foram muitos), na política, no «jornalismo» e no «entretenimento», que garantiam, rindo, que ele nunca ganharia. Se não conseguiram impedir que ele vencesse e que tomasse posse… então passaram a tentar derrubá-lo. E todos os motivos, todos os pretextos, não importa quão anedóticos, servem: agora, depois da (fictícia) «ajuda do Kremlin» e do (irrelevante) pagamento a duas ex-amantes (que, note-se, cometeram chantagem e extorsão), é a demissão de James Mattis de Secretário da Defesa por discordar da decisão – que constitui mais uma promessa de campanha cumprida – de Trump de retirar tropas da Síria que é apresentada como argumento para impugnação! Por esta «lógica», Barack Obama deveria ter sido objecto de impeachment três vezes, já que nos seus oito anos enquanto presidente teve quatro SdD, tendo cada um permanecido no cargo cerca de dois anos… precisamente o mesmo que Mattis!
Para a esquerda sobre-excitada, histérica, tudo ou quase pode ser mais um sinal do apocalipse, uma catástrofe, uma tragédia. Como por exemplo o mais recente shutdown do governo federal, que na verdade não é um encerramento total e até parcial da burocracia mas sim apenas um conjunto de perturbações, mais ou menos abrangentes consoante os casos, de alguns serviços, em que ninguém deverá perder o emprego e, no «cenário» mais «grave», há quem seja remunerado mais tarde e tenha «direito» a alguns dias extra de férias… para os democratas, autoritários e mesmo totalitaristas por vocação, a ideia de qualquer parte, parcela do Estado, por mais pequena, não mais do que uma repartição, estar fechada e não funcionar, é um pesadelo; pelo contrário, para os republicanos, desconfiados por natureza de qualquer poder público, esta situação só tem atractivos e vantagens, pelo que quanto mais tempo ela durar melhor será, porque isso significa menos oportunidades para que funcionários não propriamente isentos cometam abusos. Outro exemplo da frenética hipocrisia do PD é dado pelas reacções às recentes mortes de duas crianças que integra(va)m o constante contingente de imigrantes ilegais, ocorridas já em solo americano; a responsabilidade, obviamente, é dos pais, que arrasta(ra)m os filhos numa viagem cheia de perigos e por isso coloca(ra)m as suas vidas em risco, pela fome, pela sede, cansaço, doença; melhores ficam eles agora quando são separados dos alegados pais (que nem sempre o são); e os que actualmente gritam contra Donald Trump onde estavam durante a presidência de Barack Obama, quando vários «não documentados» morreram sob custódia das autoridades e outros, jovens, foram entregues a traficantes humanos?   
A verdade dos factos não interessa aos democratas, para os quais mentir é tão natural como respirar. Aliás, para eles muitas, tantas, vezes o que hoje é verdade amanhã é mentira. Para o comprovar mais uma vez veja-se – e escute-se – Chuck Schumer, que agora garante que Donald Trump não terá a sua muralha mas que há poucos anos alertava para os perigos da imigração ilegal e de como eram necessárias mais maneiras de fortalecer a fronteira. Note-se que num passado muito recente esta era igualmente a posição tida por outros «azuis» de topo como Harry Reid, Hillary Clinton e até Barack Obama. Presentemente, a tolerância e inclusive o incentivo ao crime por parte dos «D’s» é tal que a criação e a manutenção de cidades e estados «santuários» para protecção – isto é, impedimento da captura e da extradição – de criminosos estrangeiros se tornou elemento fulcral do programa ideológico do PD. Resultado? Cada vez mais cidadãos norte-americanos são vítimas de ilegais, sendo o mais recente um polícia na Califórnia.
Por tudo isto, e considerando também que a malevolência dos «burros» é um fenómeno antigo, só por ingenuidade ou mesmo estupidez é que os «elefantes» podem pensar que os seus opositores político-ideológicos são «normais» e que merecem respeito, que com eles é possível manter um diálogo honesto e construtivo. Os que militam e apoiam (n)o partido de Eugene «Bull» Connor, Robert Byrd e George Wallace são inimigos e como tal devem ser tratados.

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Rever em baixa (Parte 18)

«Relatório do IG confirma que Obama mentiu sobre as mensagens de correio electrónico de Hillary», Larry O’Connor; «O triste legado dos órfãos fronteiriços de Obama», Charles Hurt; «Onde está Barack Obama?», Gabriel Debenedetti; «Democratas estão furiosos com Trump e o Supremo Tribunal – Eles só devem culpar Obama», Liz Peek; «Trump é apontado como culpado pela morte de repórteres – Os media culparam Obama pela morte de polícias?», Larry Elder; «Obama admoesta políticos por mentirem desavergonhadamente – Ele não tem um espelho?», Amanda Prestigiacomo; «Obama lamenta os hábitos políticos que conduziram a sua carreira», Jim Geraghty; «A verdade sobre Trump, Putin e Obama», Newt Gingrich; «2016 – Obama ordenou que não se respondesse aos ataques informáticos russos», Rush Limbaugh; «Obama ataca os abastados por terem casas grandes antes de regressar à sua mansão de oito milhões de dólares», Benny Johnson; «Max Boot alega ridiculamente que os grandes escândalos de Obama foram usar um fato claro e pôr os pés numa secretária», Joseph A. Wulfsohn; «Casa Branca atacada por barrar uma repórter da CNN – Dêem uma olhadela a como Obama tratava os jornalistas», Hank Berrien; «Há uma linha directa entre Obama, Holder, Rice, Lerner e Clinton e os escândalos do FBI», Mark Tapscott; «A imprensa odeia os ataques que Trump lhe faz, mas então e a guerra de Obama à Fox?», Scott Whitlock; «Os media não se importaram quando Obama lhes retirou autorizações de segurança», John Nolte; «Economia “escaldante” – Trump finalmente cumpre a promessa de um “Verão de recuperação” feita por Obama», Guy Benson; «O legado climático de Obama ardeu», James Delingpole; «Obama perseguiu informadores entre a sua equipa, aplicou testes de detecção de mentiras, “paranóico”», Paul Bedard; «Obama regressa, dá um discurso que recorda aos americanos porque Trump é presidente», Ben Shapiro; «Verificação de factos – Discurso de Obama atacando Trump na Universidade de Illinois», Joel B. Pollak; «Obama tenta demonizar os votantes de Trump, seguindo a estratégia perdedora de Hillary», Kayleigh McEnany; «Uma comparação de dois presidentes – Presidente Trump versus Presidente Obama, os seus primeiros 600 dias», Joe Hoft; «Será melhor para Trump aproveitar-se do regresso desanimador de Obama», Michael Goodwin; «Obama padece severamente de Síndroma de Enraivecimento por Trump», Tucker Carlson; «Você é a razão porque Trump é presidente, Barack», Jeanine Pirro; «Obama sai da reforma com a mesma cansada mensagem», Alfredo Ortiz; «Presidente Obama tenta rescrever a história sobre Benghazi», Jason Chaffetz; «Verificação de factos – Obama nem sempre diz a história certa», Calvin Woodward e Christopher Rugaber; «Obama – Trump não construiu esta economia, eu sim!», Joseph Curl; «Confusão – Obama diz que “empolar o medo” não resulta… depois de ele próprio empolar o medo», Kyle Olson; «É tempo de dizer a Obama e aos amigos dele que estão fora do poder», James Zumwalt; «Cinco rappers controversos que Obama convidou a irem à Casa Branca», Kassy Dillon; «Obama vai ao Nevada tentar salvar candidata democrata, acaba por se defender a ele próprio», James Barrett; «Intercalares de 2018 – Tudo é sobre Obama», Michelle Malkin; «Presidente “Você pode manter o seu médico” diz que Trump está a “mentir aberta e desavergonhadamente”», Greg Powers; «Sondagem - Maioria dos americanos culpa Obama, e não Trump, pelo estado dos cuidados de saúde antes das intercalares de 2018», Sean Moran; «Obama desanca “conservadores compassivos” por causa de política de imigração que deixa miúdos em “jaulas” – Há apenas um problema», Emily Zanotti; «A reversão por Trump das políticas falhadas de Obama criou uma economia em expansão», Andy Puzder; «Obama destrambelhado – Troça das mensagens de Hillary, do Ebola, de Trump, da caravana de migrantes… em menos de 90 segundos!», Martin Walsh; «Mano, muita auto-consciencialização? Obama lecciona Trump sobre cidadania americana, tropeça na sua caneta e no seu telefone», Samantha Janney; «Obama, Mueller e a maior vigarice na história americana», Dan Bongino; «Gás lacrimogéneo usado uma vez por mês na fronteira sob Obama», Stephen Dinan; «A defeituosa cobertura mediática de Obama ainda prejudica a América», David French; «Obama diagnostica a América com um problema de atitude (Pista – falta sufocante de auto-consciencialização)», Doug Powers; «O reinício falhado de Obama», Laura Ingraham; «A presidência perpétua», Victor Davis Hanson; «Porque é que Mueller tem ignorado os crimes da administração Obama?», Victoria Toensing. 

sábado, 17 de novembro de 2018

Decoro e desassombro

Em Portugal foi publicado neste mês de Novembro um livro com o sugestivo – e enganador – título «Isto Não é Bem um Presidente dos EUA», apenas o mais recente numa série de obras que abordam a política na grande nação do outro lado do Atlântico numa perspectiva enviesada, esquerdista, incompleta, deturpada, contra a Direita, os conservadores, o Partido Republicano – isto enquanto o meu, que funciona(ria) como um útil e até indispensável contraponto, continua por editar. O autor daquele tornou-se um notório propagandista ao longo dos anos e conquistou um acesso quase constante a estações de rádio e de televisão; curiosamente, o seu livro anterior, lançado em 2016, dava como adquirido o triunfo de Hillary Clinton na eleição presidencial daquele ano. Tal fiasco, porém, não obstou a que continuasse a ter credibilidade junto dos meios jornalístico e editorial nacionais…
… E não poderia ser mais evidente a intenção daquela afirmação: «pintar» Donald Trump como uma anomalia – negativa – na história presidencial norte-americana, talvez mesmo alguém que destoa(ria) – negativamente – numa «galeria» com quase 250 anos até agora irrepreensível, ou quase. O que é, evidentemente, ridículo, e em que só os ignorantes do passado… e do presente poderão acreditar. Não faltam exemplos de presidentes que se comportaram deploravelmente durante os seus mandatos. Apenas três exemplos: houve um que (re)segregou toda a adminstração pública, como que anulando todos os progressos das décadas anteriores; houve outro que rejeitou a entrada no país de imigrantes judeus fugidos do nazismo e que mandou prender em campos de concentração cidadãos, compatriotas de ascendência japonesa; e ainda outro que autorizou a detonação não de uma mas de duas bombas atómicas sobre cidades japonesas. Eles foram, respectivamente, Woodrow Wilson, Franklin Roosevelt e Harry Truman. O que têm eles em comum? Eram todos membros do Partido Democrata…
… E constituem apenas os mais infames casos de «burrices» na Casa Branca no século XX… e, se forem precisos, também há exemplos no XIX. Os seus erros, «pecados» e até crimes fazem da – inegável – rudeza do Nº 45, em comparação, um modelo de virtudes. Afirmo-o mais uma vez, em especial para os subdesenvolvidos emocional e intelectualmente, para os papalvos que acreditam em todas as parvoíces que lêem e ouvem desde que lhes «confirmem» os preconceitos: até agora nada há que demonstre que Donald Trump, tanto na campanha como na presidência, tenha cometido qualquer violação da Constituição e/ou das outras leis dos EUA. O que ele tem feito – sendo isso que irrita quase até à loucura os seus críticos e opositores – é… cumprir o que prometeu, concretizar um programa de Direita que suspende e até reverte os «avanços» que os adeptos do suposto «progresso» já davam como definitivos. A sua lista de sucessos em menos de dois anos é notável, quiçá extraordinária. E é a isto o que os seus admiradores, apoiantes, votantes dão, correctamente, mais importância e valor, e não a eventuais subtilezas de trato que, tantas vezes, mais não são do que disfarces para a incompetência.
O desassombro, a frontalidade, e mesmo, porque não, a violência verbal – que acaba por traduzir-se, curiosamente, numa inesperada e inédita transparência – de Donald Trump invariavelmente surgem em resposta a ataques injustos, a insultos soezes, a mentiras ridículas, que os políticos democratas e os seus aliados na comunicação social expelem contínua e incansavelmente. A eles, e também a todos os que no estrangeiro alinham na demonização do actual presidente, nunca é de mais dizer: o milionário nova-iorquino está agora na Casa Branca também porque, em 2012, Mitt Romney, quase de certeza o mais competente, experiente, qualificado – e com a melhor personalidade (é praticamente um escuteiro!) – candidato presidencial de sempre foi, além de (injustamente) derrotado, também vilificado, vilipendiado… como, aliás, todos os membros do GOP são. Os eleitores conservadores (e não só) tomaram nota, e muitos decidiram que da próxima vez apostariam em alguém que responderia, que não se limitaria a «comer e calar».
Os defensores do decoro, principalmente o do comandante-em-chefe dos EUA, se não forem irremediavelmente uns hipócritas devem apontar e criticar o comportamento de Barack Obama desde que deixou o Nº 1600 da Avenida da Pensilvânia em Washington… e, inclusivamente, previamente. Antes, nos oito anos dos seus dois mandatos, raramente perdeu uma oportunidade para, imaturamente, culpar o seu antecessor pelos problemas que enfrentava. Depois, com o maior dos atrevimentos, não tem hesitado em acusar o seu sucessor, em espantosos exercícios de projecção, de actos, atitudes, comportamentos, falhas, que ele, sim, é que teve… excepto quando se trata de reclamar para si, com desfaçatez, a (co-)responsabilidade pela excepcional situação económica que os EUA agora atravessam. O Sr. Hussein continua, pois, a demonstrar que não tem, nem nunca teve, categoria, classe, para o cargo que ocupou. Sem vergonha de atacar o seu antecessor, sem vergonha de atacar o seu sucessor, algo que, para só mencionar a história mais recente, nem os Bush (pai e filho) nem Bill Clinton alguma vez fizeram…
… E também nunca aqueles ex-presidentes regressaram, pouco tempo depois de deixarem o cargo, ao combate partidário como BHO agora fez aquando das eleições intercalares no país, participando em comícios a favor de diversos candidatos «azuis»… embora, depois de contados os votos, o impacto do Nº 44 deverá ter sido mais negativo do que positivo – em termos de comparação, DJT ganhou mais nas «apostas» directas que fez. Não ajudou o facto de Obama, por exemplo, ter apelado aos eleitores no Michigan a votarem cedo, isto é, antes do dia da eleição – algo que, naquele Estado, não é permitido. O que demonstra o quanto ele «conhece» o país do qual foi o responsável máximo. 

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Sem respostas (Parte 3)

Infelizmente, não é surpreendente: continua a haver em Portugal várias pessoas que, porque não têm capacidades nem conhecimentos mínimos para o fazer correctamente, difundem informações – e opiniões – deturpadas ou até mesmo falsas sobre o panorama político nos Estados Unidos da América. E eu, tanto quanto me é possível, ou, melhor dito, me é permitido, contrario-as.
João Lopes, «jornalista» do Diário (agora semanário) de Notícias mantém-se como um dos mais notórios – e irritantes – reincidentes. Eis as suas duas mais recentes «recaídas», ambas no blog Sound + Vision, que eu lhe «diagnostiquei» por correio electrónico porque aquele continua a não aceitar comentários. A 24 de Agosto, a propósito deste texto, escrevi-lhe que nele «há dois erros relativamente graves: um, David Axelrod nunca foi “procurador federal” mas sim consultor político de Barack Obama; outro, Michael Cohen não foi condenado porque (ainda) não foi a julgamento, ao contrário de Paul Manafort. Estas são falhas normalmente inadmissíveis num jornalista já com muita experiência e anos de serviço... a não ser que consideremos, como “circunstância atenuante”, o facto de esse mesmo jornalista se ter “especializado” em, de abordar quase sempre, temas de cultura, cinema, música. Então, melhor seria não mandar “bitaites” sobre o que não compreende.» Porém, JL mandou mesmo mais «bitaites» desse tipo e, a 9 de Outubro, a propósito deste texto, escrevi-lhe: «Não, não é um “facto” que Brett Kavanaugh protagonizou um episódio de agressão sexual contra ela. O que há, houve, é uma alegação, uma acusação... sem provas; ela não sabe, não recorda, exactamente onde e quando essa agressão ocorreu, a não ser que teria sido, talvez, algures no início dos anos 80; as testemunhas que ela própria indicou não confirmaram a sua versão dos acontecimentos - e, aliás, um ex-namorado revelou que, ao contrário do que foi dito, ela não tem medo de voar de avião nem de estar em espaços pequenos e fechados; e, pior ainda, ela não se lembra, não tem a certeza, de pormenores relativos a eventos recentes, deste ano, acontecidos apenas há algumas semanas ou meses! Portanto, não foi uma acusadora credível. (…) A postura não foi grosseira e não houve gozo, insultuoso ou outro - o Presidente limitou-se a destacar as contradições e as debilidades evidentes no testemunho de Christine Blasey Ford, que eu apontei acima (e várias outras existiram). Agora, verdadeiramente grosseiro e insultuoso foi o comportamento dos democratas - políticos, advogados, “jornalistas”, manifestantes - neste processo. Para eles vale(u) tudo, ou quase: sucessivas acusações - na verdade, calúnias - cada vez mais graves e disparatadas (Kavanaugh seria o líder de um bando de violadores em série!); recusa da presunção de inocência (quem não acreditasse em Ford ou nas outras “vítimas” estaria “contra as mulheres”); intimidação por rufias esquerdistas (muitos deles pagos), por vezes quase a chegar à violência efectiva, a políticos republicanos na rua, em restaurantes, em aeroportos, nas suas casas e até nos próprios edifícios do Congresso, junto aos gabinetes e às salas de audiência! Enfim, e mais uma vez, o João Lopes difundiu “fake news”. Por incompetente (e inadmissível) ignorância ou por intencional, premeditada, malícia, isso é algo que continua por apurar.» Cada vez mais acredito que é por malícia…
Outro caso – inesperado – de persistente falta de sensatez (para não usar outra expressão, mais desagradável) neste âmbito é o de Nuno Gouveia. Com o blog Era Uma Vez Na América estando aparente e definitivamente desactivado, é na sua conta de Twitter que ele comenta também o que se vai passando na grande nação do outro lado do Atlântico. Digamos que tem havido vários motivos para as minhas mensagens se sucederem no último ano. Exemplos? Sobre isto, eu disse: «Se Donald Trump e Jeremy Corbyn são “duas faces da mesma moeda”... então trata-se de “dinheiro” muito estranho. Em relação a Israel e aos judeus, suponho que não há dúvida de que estão em campos opostos. Quanto à Rússia... também: o actual presidente dos EUA não só manteve como aumentou as sanções a Moscovo, forneceu armas à Ucrânia (algo que Barack Obama se recusou a fazer), permitiu que mais de 200 mercenários russos fossem mortos na Síria, exigiu que os outros membros da NATO aumentassem as suas contribuições financeiras (para os mínimos obrigatórios), criticou o gasoduto que liga a Rússia à Alemanha... enfim, um comportamento muito estranho para um “agente do Kremlin”.» Sobre isto, eu disse: «É claro que Donald Trump “adora”, prefere, preconiza, o comércio livre. Aliás, ele desafiou os parceiros do G7, na cimeira realizada este ano no Canadá, a acabarem com todas as tarifas, subsídios e barreiras. Porém, e esse é um aspecto fundamental da sua posição neste âmbito que, "surpreendentemente", não é devida e frequentemente salientado, ele é um adepto do comércio que seja, além de “free”, “fair”, justo; e não há justiça quando os EUA impõem tarifas reduzidas ou até nulas a produtos de países que, por sua vez, “retribuem o favor” aplicando tarifas elevadíssimas a produtos dos EUA; é disto que se trata com as actuais acções da administração norte-americana – “level the playing field”. E, obviamente, o caso pior, mais grave, é o da China, que, deve-se nunca o esquecer, é a maior e a mais antiga ditadura do Mundo. Está o Nuno, com o “tweet” acima, a defendê-la? Com o “Império do Meio” os problemas num comércio que se pretende livre não se limitam à desigualdade de tarifas de importação e de exportação: há a exploração de mão-de-obra (que não tem sindicatos, tribunais e meios de comunicação social verdadeiramente independentes para onde recorrer), as catástrofes ambientais e a violação dos direitos de propriedade intelectual.» 
Nem João Lopes nem Nuno Gouveia responderam às mensagens que lhes enviei assinalando e corrigindo os seus erros em relação ao que acontece nos EUA. Já com John Wolf a situação foi algo… diferente. No Estado Sentido, blog em que colabora, ele publicou em Julho último uma «posta» em que se pode ler o seguinte: «O presidente dos EUA entregou o Uncle Sam a Putin. A loucura a que assistimos é inédita na história dos EUA. A negação categórica do envolvimento russo no processo eleitoral americano (não obstante a reunião de provas realizada pelo special counsel Robert Mueller), o ataque aos serviços de inteligência dos EUA, ao próprio sistema de justiça, e às demais instituições de credibilização democrática dos EUA deve ser interpretado sem reservas como um acto de traição. Servindo-nos de uma lógica relativamente simples, tudo isto significa que Putin dispõe de meios para eleger presidentes norte-americanos, mas também para deselegê-los. (…) The russians aren´t coming. Já lá está o Trump.» Inseri, na caixa respectiva, o comentário seguinte: «”Parabéns”, John Wolf! Creio que, com este texto, você alcançou um novo “recorde” no maior número de disparates com o menor número de palavras.» Porém, ele não foi autorizado e publicado, apesar de outros dois, anónimos, o serem. Pois, há quem não goste que as suas parvoíces sejam apontadas…

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Regressar e recordar

Desde que o Obamatório foi criado em Janeiro de 2009, nunca, nos nove anos já decorridos, um dia 11 de Setembro passou sem que nesta data eu publicasse aqui um texto a propósito de hediondos ataques contra os EUA cometidos por terroristas islâmicos, primeiro «apenas» os de 2001 – que marcaram para sempre Nova Iorque (Centro Mundial do Comércio), Washington (Pentágono) e Shanksville (em vez do Capitólio) – e depois o de 2012 que destruíu o consulado norte-americano em Benghazi, na Líbia. É regressar e recordar: 2009, 2010, 2011, 2012, 2013, 2014, 2015, 2016, 2017. A evocação sempre teria justificação mesmo que entretanto não tivessem ocorrido revelações, novidades, desenvolvimentos relevantes…
… Que, mais uma vez, ocorreram. Concretamente, por exemplo, e entre outras: inéditas gravações, registos, imagens e sons, dos atentados; uma nova, e inovadora, componente tecnológica no monumento ao Voo 93 da United; acções, iniciativas, dos sobreviventes, incluindo o assinalar da data de uma forma (surpreendentemente) artística, e a reinvindicação de apoios, compensações, de tipo médico e/ou financeiro. Evidentemente, e inevitavelmente, um momento que deveria ser encarado como de unidade e de elevação nacionais foi mais uma vez perturbado, danificado, e até conspurcado por lamentáveis, embora previsíveis, acessos de histerismo ofensivo de esquerdistas em geral e de «Never Trumpers» em particular: protesto e quase proibição de um cartaz alusivo ao 9/11 numa faculdade no Winsconsin por alegada islamofobia (!); um candidato democrata nas próximas eleições intercalares de Novembro que comparou – na verdade, equiparou – Donald Trump a Osama Bin Laden; dentro da mesma ridícula e perversa «lógica», já em Julho Jill Wine-Banks (que integrou a acusação aquando do caso Watergate) colocou a cimeira entre DJT e Vladimir Putin em Helsínquia este ano, em termos de gravidade, ao nível, sim, do 11 de Setembro (e de Pearl Harbor e da «Noite de Cristal»), e, agora, nem mais nem menos do que Joe Scarborough, que em 2016 deu dezenas de horas de favorável cobertura no seu programa na MSNBC ao então candidato e actualmente presidente, afirma que este é mais prejudicial aos EUA do que a catástrofe ocorrida há 17 anos!
Estas patéticas posições resultam em grande medida da desvalorização que a esquerda – norte-americana mas não só – tende a fazer dos crimes cometidos por muçulmanos. Nancy Pelosi, que já classificou em termos apocalípticos, de «fim do Mundo e da civilização», as maiorias do Partido Republicano no Congresso e a descida dos impostos por aquele votadas, designou, em Julho deste ano, os ataques de 2001 como um «incidente». Barack Obama, durante um discurso que proferiu na semana passada em Chicago e em que desavergonhadamente, hipocritamente, acusou Donald Trump e o PR de praticamente tudo aquilo que ele e o Partido Democrata de facto fizeram, referiu-se ao ataque em Benghazi – que causou a morte de quatro norte-americanos, entre os quais o então embaixador na Líbia – como mais uma «teoria da conspiração» vinda da direita… porém, e na verdade, a administração dele não prestou auxílio imediato aos sitiados no consulado e depois indicou um vídeo no YouTube como a causa do sucedido!
O que também não é teoria da conspiração é o facto de, em 2014, a uma suposta agência de auxílio humanitário no Sudão que, na realidade, é uma afiliada da Al Qaeda, que a esta presta – e a outras organizações terroristas, como o Hamas – assistência financeira e logística, e como tal foi assinalada pelo Departamento do Tesouro dos EUA em 2004, ter sido atribuído um subsídio de cerca de 200 mil dólares pela administração do Sr. Hussein. Infelizmente, esta não seria a única vez que democratas no governo federal deram dinheiro a extremistas islâmicos que preconizam o assassinato de massas e o genocídio: lembrem-se os muitos milhões que foram enviados para Teerão aquando do «acordo nuclear» com os «ai-as-tolas» que supostamente os impediria de construir armas atómicas. E o que se descobriu entretanto? Foi revelado no passado mês de Junho: o regime iraniano auxiliou os operacionais da AQ que em 2001 atacariam a América!
Mais um motivo, a juntar a outros, que justifica plenamente a decisão de Donald Trump de não só romper o entendimento com os totalitários xiitas mas também de retomar e de reforçar as sanções contra eles. Que bom que seria que na Europa certos chefes de Estado e de governo lhe seguissem o exemplo e rejeitassem aqueles que prendem mulheres por destaparem o cabelo e por dançarem. Em vez disso, recebem-nos em Bruxelas com promessas de que, por parte da UE, nada mudará, isto enquanto auxiliam traficantes de carne humana a desembarcar nas costas do Sul do Velho Continente, diariamente, centenas de potenciais agressores, violadores e homicidas que adoram igualmente Alá.

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Para quando o «livro do Obamatório»?

Provavelmente (muit)os que têm lido o meu blog Obamatório ao longo dos últimos quase dez anos fizeram pelo menos uma vez a seguinte pergunta, nem que fosse em pensamento a eles próprios: «será que Octávio dos Santos pensa algum dia fazer um livro a partir dos textos que ele escreve e publica neste seu blog
A resposta a essa (eventual) pergunta é «sim». Desde que iniciei o Obamatório sempre foi um objectivo construir um livro com base na selecção, adaptação e revisão daqueles que eu consideraria os melhores textos colocados neste espaço. O «quando» fazer isso também logo me pareceu óbvio: quando Barack Obama deixasse de ser presidente dos Estados Unidos da América. Tive esperança de que tal acontecesse em 2013; porém, e infelizmente, foram mais quatro anos. Assim, só concluí a elaboração desta minha obra em Julho de 2017 – sim, há pouco mais de um ano.
Não vou divulgar aqui e agora o título que lhe dei, mas vou transcrever a sinopse que escrevi e que constitui igualmente o texto de contracapa: «Depois da eleição presidencial nos Estados Unidos da América realizada no dia 8 de Novembro de 2016, muitas pessoas em todo o Mundo, incluindo Portugal, terão formulado diversas variantes da seguinte pergunta: “O que correu mal nestes anos de Barack Obama para que o povo americano votasse numa mudança tão radical, e entregasse o mais alto cargo da nação a alguém tão ‘sinistro’ como Donald Trump?” Na verdade, muita coisa correu mal, a presidência do Sr. Hussein não constituiu um sucesso, e foi por isso que, precisamente, grande parte do povo americano – incluindo em (dezenas de) condados e em Estados que em 2008 e em 2012 haviam dado a vitória ao marido de Michelle – votou numa “mudança tão radical”. Além de que Hillary Clinton era, efectivamente, uma alternativa pior do que o milionário novaiorquino. Durante oito anos, entre 2009 e 2017, os mesmos dos dois mandatos do 44º presidente dos EUA, Octávio dos Santos, escritor e jornalista premiado, relatou, no seu blog Obamatório, os factos desagradáveis – insultos, incompetências, erros, escândalos – que marcaram a actuação de Barack Hussein Obama e da sua administração… e que a generalidade da comunicação social portuguesa, mas não só, omitiu, desvalorizou, e/ou, até, sobre os quais pura e simplesmente mentiu. Agora, reunido neste livro, está o melhor - ou, talvez mais correctamente, o “pior” - desse demorado e dedicado trabalho de observação, recolha, selecção, análise e opinião. Leia, e enumere os “episódios” aqui relatados, tanto os hediondos como os hilariantes, de que tinha conhecimento antes de virar as páginas precedentes… e provavelmente terá uma surpresa!»
Nos cerca de doze meses que entretanto decorreram já propus o livro para publicação a seis editoras… e todas recusaram. A primeira disse «não» ainda antes de eu ter o livro concluído e de a sinopse estar pronta – apenas lhes enviei uma primeira selecção, incompleta e provisória, dos textos a incluir; foi a Contraponto. A seguir, contactei as duas editoras que lançaram em 2016 (antes de 8 de Novembro) livros cuja principal premissa, e previsão, era a de que Hillary Clinton iria vencer a eleição presidencial e tornar-se a primeira mulher presidente dos EUA – algo a que eu já fizera referência então; portanto, tanto à PrimeBooks, que editou «Nunca é Tarde Para Ganhar», como à Tinta da China, que editou «Administração Hillary», apresentei o meu livro, que assenta em factos confirmáveis e não em adivinhações pouco menos do que astrológicas… mas ambas rejeitaram-no. Depois, tentei uma editora que já lançara (em 2006) um livro (co-)escrito por mim, «Os Novos Descobrimentos»; no entanto, na Almedina, disse-me uma pessoa que trabalha naquele grupo editorial, «infelizmente não houve consenso quanto à publicação (do meu livro) por uma questão temática sobretudo, e não obstante o facto de estar extremamente bem escrito» (já o sabia, mas é sempre bom que outros o confirmem ;-)); mas houve lá quem preferisse gastar (muito mais) dinheiro na aquisição dos direitos, na tradução e na publicação (em pouco mais de um mês) de «Fogo e Fúria – Dentro da Casa Branca de Donald Trump», de Michael Wolff – alguém que confessou que o seu trabalho «nada tem a ver com a verdade». Posteriormente experimentei a Matéria-Prima, mas esta alegou que o seu plano editorial (para este ano?) já estava fechado – e de lá não responderam à minha pergunta subsequente sobre se o meu livro seria considerado depois de o plano editorial ser reaberto. Enfim, dirigi-me à Gradiva depois de saber que aquela publicara (em Junho último) «Os Anos Trump – O Mundo em Transe», de Eduardo Paz Ferreira (marido de Francisca Van Dunem, actual Ministra da Justiça), para quem DJT constitui uma «ameaça à civilização»; a réplica, todavia, uma vez mais negativa, veio no (para mim) tempo recorde de 15 horas (!), tendo o próprio Guilherme Valente depois me comunicado – e admitido – que não leram nem iriam ler o meu livro (além, suponho, da sinopse)… por não o terem considerado «adequado à programação».
Por tudo isto se confirma que em Portugal – e não apenas, claro, no que se refere a perspectivas sobre a política dos EUA – no sector editorial se verificam praticamente os mesmos níveis de discriminação, preconceito e desinformação que se registam no da comunicação social. Alguém que trabalha naquele e que o conhece bem deu-me a seguinte explicação, a sua «leitura» da situação: «por mau que tenha sido o mandato de Obama, e para a grande maioria das pessoas não foi, o que se lhe está a seguir torna-o, aos olhos das pessoas, bom. É aquela velha máxima de que "atrás de mim virá quem de mim bom fará". Não sei se a evolução dos acontecimentos futuros tornará a realidade como uma oportunidade para lançar no mercado um livro com as características do seu. Neste momento, não avalio como bom o momento que vivemos, pelo excesso de livros relacionados com Obama e até com Trump, pela reacção dos compradores, pela impopularidade de Trump que ajuda a valorizar Obama e pela dificuldade de passar para fora o conceito de um livro que desfaz o ex-presidente.» Talvez seja o que explica também porque é que Bernardo Pires de Lima, que co-escreveu (com Raquel Vaz-Pinto) «Administração Hillary», e Germano Almeida, que escreveu «Nunca é Tarde para Ganhar», não só não foram sancionados, penalizados, por arrogantemente, e com a incompetente, irresponsável cumplicidade das suas editoras, se terem armado em «profetas», como continuam a ser convidados e a participar frequentemente como comentadores, «especialistas», em vários canais de rádio e de televisão – aliás, o criador do blog (há dois anos inactivo) Casa Branca, porque, aparentemente, há uma «escassez» de analistas, tem, «coitado», de às 21.30 de um dia estar na RTP e às 7 do dia seguinte na SIC para dar os seus (nada credíveis) «bitaites» e depois de escrever e de publicar artigos nos sítios da TVI e da RTP,  pouco tempo assim lhe restando para dedicar à sua actividade profissional alegadamente principal, a de jornalista desportivo com enfoque no futebol (aliás, actualmente trabalha na FPF)!
É também porque eu me «indigno» com inaceitáveis «abusos» como este que, ao longo dos anos, e com alguma regularidade (a última vez que o fiz foi no mês passado), fui oferecendo a minha colaboração, propondo os meus serviços enquanto comentador sobre os EUA a diversos órgãos de comunicação social… e nunca recebi respostas (positivas). Poderá esta situação mudar se e quando o «livro do Obamatório» for publicado? Será melhor eu esperar sentado… ;-) (Também no Octanas.)

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Obama veio ao «Oporto»

(Uma adenda no final deste texto.)
Barack Obama visitou Portugal pela primeira vez quando ainda era Presidente dos Estados Unidos da América: foi há quase oito anos, a 19 de Novembro de 2010, e a recebê-lo em Lisboa estava alguém que, pelas várias semelhanças no seu percurso pessoal e profissional com o do então ocupante da Casa Branca, podia quase ser considerado como que um «irmão espiritual»: José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa. No passado dia 6 de Julho veio ao nosso país pela segunda vez, mas já como cidadão privado; não esteve na capital mas sim no (O)Porto; não se encontrou com um vigarista nacional mas defendeu uma vigarice internacional – as «alterações climáticas» entendidas como «aquecimento global» antropogénico.  
Vamos recorrer a dois textos publicados no blog Blasfémias para resumir e caracterizar o acontecimento. De Rui Albuquerque: «(…) Falou durante uma hora, não se deixou filmar nem gravar, e limpou-nos 500 mil euros, que não serão certamente tributados em Portugal mas nos EUA, provavelmente através de uma Fundação ou ONG da sua coutada, para que ele possa gozar melhor o imenso trabalho que aqui teve. E o que veio dizer-nos este extraordinário guru dos tempos modernos? Pelo que ouvimos na TSF, meia-dúzia de banalidades sobre as transformações do clima, outras tantas sobre o poder democrático, enfatizando sempre que este deve ser exercido “de baixo para cima”, a partir do “cidadão comum”, expressão que, de acordo com a emissora televisiva, repetiu ad nauseam. Ora, havendo “cidadãos comuns” logo se depreende que, na iluminada mente de Obama, existirão “cidadãos excepcionais”, ou, para não quebrar inteiramente o tom democrático e humanista, “cidadãos incomuns”. Nestes últimos certamente que se colocará o ex-presidente Obama, já que um “cidadão comum” dificilmente conseguirá extorquir 500 mil euros por uma hora de paleio a alguns papalvos dispostos a pagarem-lhe essa obscena importância. Apenas falhou, no raciocínio de Obama, um pequeno pormaior: é que foram esses mesmos “cidadãos comuns” que mandaram Hillary Clinton, e ele mesmo, pastar caracóis. (…) Nem depois da derrota humilhante que teve Obama é capaz de um exercício de alguma humildade. (…)». De José Silva: «(…) Ninguém percebeu ao certo ao que é que ele vinha cá e menos ainda quem pagou. Vem para uma conferência sobre o clima chamada “(Climate Change Leadership) Summit”. (…) Não veio logo a estrela da tarde, foi precedida por um curioso orador que se apresentou como assessor do Presidente Obama e que mais tarde o entrevistaria com perguntas difíceis. E pronto, seriam uma três e tal, lá veio o senhor Obama no meio de uma enorme salva de palmas. Dois sofás, ele e o senhor assessor. A oratória fácil de Obama foi facilitada pela tendência futebolista iniciada de manha: perguntas redondas, chuto de cá para lá e respostas redondas. Acha que os jovens devem seguir a carreira política? Sim, veja o exemplo maravilhoso do Mandela. Acha que as empresas devem tomar iniciativas por causa do clima? Claro, isso é maravilhoso, etc e tal. E as organizações internacionais? Ah isso é muito importante (faça-se justiça, não elogiou Guterres possivelmente com medo que fosse demais). Aqui e ali uma alusão ao seu sucessor que a plateia inteligentemente interpretava como sendo Trump e respondia com palmas ou com sorrisos de aprovação. Ninguém percebeu que a última pergunta era a última. Era só mais uma igual às outras. E portanto o assessor lá teve de dizer que acabou e a plateia brindou o orador com uma salva de palmas a que ele magnânimo respondeu “obrigado”. Saiu e com ele saíram os seguranças que passaram o tempo todo de costas para o palco a ver o público. (…)»
Mais ninguém, nenhum jornalista, nenhum dos empresários ou dos políticos presentes no Coliseu, pôde fazer-lhe perguntas, para além do dito «assessor». Seria pouco provável que, de entre uma audiência aparentemente aprovadora do carácter e do currículo de Barack Obama, alguém se atrevesse a colocar uma questão verdadeiramente difícil, embaraçosa ou hostil. Porém, e de facto, para quê correr riscos? Se «controlar o clima» é agora o objectivo primordial do Nº 44, porque não fazê-lo também a um nível mais restrito e não propriamente literal? Afinal, poderiam pedir-lhe para comentar, por exemplo: a decisão de ignorar ou, pelo menos, de desvalorizar os avisos que recebeu sobre as tentativas russas de desestabilizar o sistema político norte-americano; a acusação de que tentou conceder ao regime iraniano regalias e benesses, em especial financeiras, proibidas segundo as sanções então em vigor; o facto de a «separação das famílias» na fronteira com o México ter começado na presidência dele, de crianças terem sido «retiradas» aos pais imigrantes ilegais e colocadas em jaulas sob a sua administração, e não a de Donald Trump; a alegação de que o Departamento de Justiça e o FBI, com o seu consentimento, espiaram o então candidato DJT e a sua campanha; a ocultação que foi feita, durante mais de dez anos, dos contactos que teve com Louis Farrakhan; a circunstância de em Chicago as críticas, quando não a oposição, à construção da biblioteca que terá o seu nome não diminuírem e até aumentarem; enfim, o facto de o seu sucessor registar uma taxa de popularidade superior no mesmo ponto do mandato.
Nada disto, no entanto, lhe suscitará agora muito interesse. Actualmente, assume-se como guardião do planeta e do seu ambiente – apesar de, ao contrário do que prometeu quando foi eleito, o nível dos oceanos não ter descido… nem, verdade seja dita, subido. Entretanto, é de duvidar que o Acordo de Paris, que ele subscreveu sem o submeter à ratificação do Senado, e que Donald Trump acertadamente renegou, esteja a ter os resultados pretendidos: é que as emissões de gases com «efeito de estufa» estão a diminuir nos EUA e a aumentar na Europa!
(Adenda - E porque não há duas sem três, eis um terceiro texto no blog Blasfémias sobre a visita de Barack Obama ao Porto que merece ser lido, escrito desta vez por Sérgio Barreto Costa.

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Rever em baixa (Parte 17)

«Liderança americana no palco mundial – Ao contrário de Obama, Donald Trump apoia os protestos pró-democracia contra o extremista regime iraniano», Aaron Klein; «A lista das canções favoritas de 2017 de Barack Obama é lixo – As feministas “Eu Também” deveriam estar indignadas, mas não estão», Jared Sichel; «Jeff Sessions está certo em acabar com a abordagem não legal de Obama da criminalização da marijuana», Josh Hammer; «O que os dados do Censo de 2017 nos dizem das políticas de Obama», Michael Barone; «A era de Obama de negligência para com os nossos militares deve chegar ao fim», Mike Turner; «Dar poder ao Irão – Desfazendo a perigosa agenda de Obama», Bradley Martin; «A bastardização, pela administração Obama, das nossas agências de inteligência e do FBI», Mark Levin; «Presidente Nobama», Victor Davis Hanson; «Onde estava Flake quando Obama atacou a Fox?», Tucker Carlson; «Obama troçou das ambições políticas de Trump, Trump gastou o seu primeiro ano desmantelando o legado de Obama», Peter Hasson; «”O Ano Final” revela a ingenuidade e a arrogância da administração Obama», Kyle Smith; «As mensagens entre Clinton e Obama – A chave para compreender porque Hillary não foi acusada», Andrew C. McCarthy; «Como Barack Obama pôs o Partido Democrata contra Israel», Pamela Geller; «Quem é dono desta economia, Obama ou Trump?», Brad Schaeffer; «O que sabia Obama e quando é que o soube?», Sean Hannity; «Os abusos federais cometidos sob o olhar de Obama representam uma praga crescente no seu legado», Monica Crawley; «Detectando o verdadeiro conluio – Obama sabia que entidades estrangeiras estavam a interferir, ele nada fez», Tammy Bruce; «O legado de Obama será o de que ele permitiu que a Rússia “semeasse discórdia” nos Estados Unidos», Liz Peek; «Então, era sobre quê o discurso secreto de Obama na conferência desportiva?», Monica Showalter; «Sobre controlo de armas, Obama é o hipócrita de que ninguém tem estado a falar», Colin Kalmbacher; «Oito anos de fraqueza de Obama perante a Rússia», Andrew Kugle; «Cinco coisas que Barack Obama disse durante o seu discurso no MIT estranhamente não gravado», Robby Soave; «Irónico – Organizadores comunitários de Chicago lutam contra Obama», James Barrett; «Por detrás da escalada de Cruz na Flórida, a política de permissividade escolar de Obama», Paul Sperry; «A ilusão “livre de escândalos” de Obama», David Limbaugh; «”Obamagate” e a imprensa», Andrew Klavan; «Barack Obama repete a alegação falsa de terem existido este ano 18 tiroteios em escolas», AWR Hawkins; «Ben Rhodes, assessor mentiroso de Obama, ataca Trump por silêncio quanto à Rússia, mas ninguém foi mais silencioso do que Obama», Hank Berrien; «Rolling Stone adora a carta de Obama elogiando os miúdos de Parkland, esquece-se de que ele nada fez pelo controlo de armas», Gabriel Hays; «Não-drama Obama versus “caos” de Trump», Larry Elder; «O mais auto-obcecado presidente de sempre fala em criar “um milhão de jovens Barack Obamas"», Joseph Curl; «As boas vindas de Obama a emigrantes permitiu uma “guerra química” contra americanos», John Hayward; «Pode Obama salvar os democratas?», James Wolcott; «Os apoiantes de Obama correm para salvar a sua “perigosa” política de permissividade escolar para estudantes das minorias», Susan Berry; «Assassínio, violação e suicídio – Como uma directiva para a “diversidade” da era Obama introduziu injustiça nas nossas escolas públicas», Amanda Prestiagiacomo; «A administração Obama financiou as actividades esquerdistas de Soros na Albânia», Tom Fitton; «Cinco vezes em que os media não perguntaram a Obama se iria demitir-se», Matt Margolis; «Donald Trump acabou com a miragem de Obama», Matthew Continetti; «Ao sair do acordo com o Irão, Trump termina o legado de apaziguamento de Obama», Joel B. Pollak; «O legado presidencial de Barack Obama – Um guia abrangente», Michael J. Knowles; «O legado de Obama merece ser destruído», David Harsanyi; «A analogia de Watergate aplica-se a Obama, não a Trump», Rush Limbaugh; «Jornalistas indignados com Trump estavam silenciosos quando Obama ameaçava as liberdades da imprensa», Jeffrey Lord; «Então… podemos todos admitir que Trump estava correcto sobre Obama estar a espiar a sua campanha, certo?», Larry O’Connor; «Barack necessita de regressar às suas raízes como organizador para que o Centro Obama floresça», Mary Mitchell; «O legado de Obama já foi destruído», Andrew Sullivan; «Porque é que aquilo que a administração Obama fez foi muito pior do que Watergate», Charles Hurt; «Porque os conservadores não devem ter medo do acordo de Obama com a Netflix», Christian Toto; «Sete maneiras pelas quais o espião-em-chefe Barack Obama espiou Donald Trump», John Nolte; «Um falhanço no Twitter revela que as narrativas dos media sobre Obama ainda destoam da verdade», David French; «Os novos e surpreendentes inimigos de Obama», Dennis Byrne; «A administração Obama mentiu ao povo americano, repetidamente, aqui está a prova», Ben Shapiro; «Obama levou a mentira a novos máximos com o acordo com o Irão», Marc Thiessen; «Imprensa ignora a mentira de Obama sobre as mensagens de correio electrónico para o servidor privado de Hillary», Tom Blumer; «Os media isolaram Obama do escândalo», Brent Bozell e Tim Graham; «Aqui estão as fotos das instalações de detenção de imigrantes ilegais de Obama que os media não lhe mostram», Benny Johnson; «Quatro horríficas histórias de imigração que aconteceram sob Obama que você precisa de conhecer», Ryan Saavedra.

terça-feira, 15 de maio de 2018

Indisponibilidade para o sacrifício

É algo que não constitui propriamente uma surpresa, mas o assunto é demasiado importante para não se fazer (mais) uma referência: muitas reacções negativas causou, na Grã-Bretanha e na França, o discurso de Donald Trump na mais recente convenção da National Rifle Association, realizada em Dallas, no Texas, nos passados dias 4, 5 e 6 de Maio, e em especial a parte em que ele apontou e criticou – correctamente – o quão indefesos estavam, e ainda estão, os cidadãos daqueles países europeus, e outros, perante ataques de criminosos «comuns» e de terroristas, por não disporem, como nos EUA, do mesmo nível de acesso ao porte e uso de armas, tal como previsto e permitido pela Segunda Emenda da Constituição norte-americana, e apesar dos esforços contínuos dos democratas para a restringir e mesmo reverter. É um assunto que demonstra bem, talvez mais do que qualquer outro, como são diferentes as perspectivas em ambos os lados do Atlântico sobre questões básicas, fundamentais, relativas a prioridade moral, iniciativa individual e organização social…
… Que eu já abordei, e destaquei, previamente, não só aqui no Obamatório mas também, em especial, num artigo publicado no Público a 14 de Dezembro de 2015, intitulado «Os cidadãos não têm armas» - sendo os cidadãos em causa, obviamente, os europeus, e em particular os franceses. Então escrevi: «Porque é que isto aconteceu… novamente? Porque houve mais, tantos, mortos e feridos? Os atacantes são “(des)educados” desde cedo a odiar os valores e as liberdades da Civilização de matriz judaico-cristã, tudo o que não esteja conforme ao Islão? Sim, mas não só nem principalmente. Porque os atacantes não receiam as consequências, não tanto para eles, que no fundo são todos suicidas e estão dispostos a morrer, mas mais para as suas comunidades, pois sabem que os seus familiares não serão expulsos, as suas casas não serão demolidas – como acontece em Israel – e as suas mesquitas não serão encerradas? Sim, mas não só nem principalmente. Eis a resposta, a explicação, principal e incontestável: tantas vidas se perde(ra)m ou fica(ra)m marcadas para sempre, tanta destruição é causada, tanto medo e tanta mágoa é acumulada, porque, muito simplesmente, os atacantes sabem que vão encontrar inexistente, ou reduzida, ou atrasada, resistência… armada. Aqueles parisienses, permanentes ou ocasionais, estavam completamente indefesos, totalmente à mercê da fúria impiedosa e incansável dos assassinos. A polícia não está – não consegue estar – permanentemente presente junto de quaisquer possíveis alvos, que, actualmente, e cada vez mais, são, podem ser, todos, é, pode ser, tudo. Pelo que é fundamental, prioritário, urgente, que aos indivíduos (maiores de idade e sem cadastro criminal), às famílias, às empresas (incluindo restaurantes e salas de espectáculos…), às instituições não estatais e/ou que não têm a dimensão suficiente para disporem de protecção pública, sejam providenciados os meios – isto é, as armas e o treino para correctamente as utilizar – que aumentem a sua segurança. E isto, obviamente, sempre em articulação, em colaboração, com as forças da ordem.» Ano e meio depois, a 19 de Julho de 2017, em artigo publicado no blog Delito de Opinião intitulado «Mulheres de(s)arma(da)s», desenvolvi, basicamente, o mesmo argumento (sustentado com outros factos), mas desta vez focado no caso específico da «epidemia» que parece grassar em Portugal de homens que matam – ou tentam matar – ex-esposas ou ex-namoradas. Mensagem, e conclusão, fundamental: ser vítima não tem de ser uma inevitabilidade, não faltam meios que podem ajudar à protecção de cada um e dos que lhe (e)s(t)ão próximos.
As críticas, as queixas, os protestos, provenientes de Londres e de Paris contra o actual Presidente dos EUA pela sua intervenção no encontro anual mais importante da NRA não diferem, na sua essência, dos que vieram… um pouco de todo o Mundo, mas em (vergonhosos, embora previsíveis) «particulares» de diversos pontos do Ocidente, contra a actuação do exército de Israel na sua fronteira com (a faixa de) Gaza na última semana. Uma vez mais, parece haver «confusão» sobre quem são, verdadeiramente, os agressores e os agredidos, e o consequente direito – e dever – de se utilizar, para defesa própria, os instrumentos adequados e necessários. Os palestinianos do Hamas – incentivados, apoiados, pelo Irão – não são «manifestantes pacíficos»: são terroristas, combatentes inimigos e armados, que procuram quebrar as barreiras para tentarem infiltrar-se em território hebreu e causarem – são eles que o admitem – o máximo de destruição e de morte possível; não há que ter qualquer comiseração para com estes permanentes candidatos a «mártires», suicidas, genocidas, literalmente «carne para canhão» enviada por líderes que ficam na retaguarda a aproveitarem para os seus luxos o dinheiro do auxílio humanitário, fantoches manipulados e doutrinados desde a infância para odiarem judeus (e cristãos), autênticos zombies, sub-pessoas, que não hesitam em colocar mulheres e crianças na linha da frente como «escudos humanos» para melhor ludibriarem a crédula maioria da comunicação social internacional e convencerem-na da suposta «crueldade» dos militares que ostentam a estrela de David, e de outras mentiras expelidas pela propaganda muçulmana. A celebração do 70º aniversário da (re)fundação de Israel e a inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém, esta uma acção justificada e que já tardava, promessa feita por Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama mas só finalmente cumprida por Donald Trump, não (nunca) seriam precisas como pretextos para a violência.
Ao contrário do que acontece em vários (quase todos?) países da Europa, cujos respectivos governos parecem ter-se conformado com a ocorrência de sucessivas matanças, consecutivos massacres, levados a cabo pelos adoradores de Alá, em Israel e nos EUA – estes desde que, obviamente, liderados pelo Partido Republicano – há uma clara indisponibilidade para o (auto) sacrifício. Os inocentes não têm que morrer; do outro lado, quase todos são culpados, e a sua eliminação, temporária ou definitiva, não deve ser lamentada.