domingo, 26 de agosto de 2012

Não precisam de agradecer

Como já por mais de uma vez disse e/ou dei a entender, não é só no Obamatório que eu exerço uma vigilância mais ou menos constante e rigorosa – à medida da minha capacidade e da minha disponibilidade – sobre o que se vai dizendo e escrevendo no espaço público informativo português, com especial enfoque na blogosfera, intervindo e comentando, sempre que me parece oportuno e relevante, para corrigir, denunciar e/ou esclarecer erros, mentiras e preconceitos sobre a política (e a cultura) norte-americana – e, claro, sempre sem anonimato. Eis alguns casos recentes… e não precisam de agradecer.
Com os meus «colegas de blogs sobre os EUA» os contactos são regulares, mas practicamente todos num só sentido – raramente (ou nunca) são retribuídos. Muitas vezes são feitos, precisamente, para corrigir erros «simples», sem malícia, como os de João Luís Dias no Máquina Política (um, dois, três) e um de Alexandre Burmester no Era uma Vez na América – escusado será dizer que espero que façam o mesmo se eu me enganar (não, não sou infalível… ;-)) Quanto a Nuno Gouveia, nada de recente da minha parte há a assinalar, mas não porque ele tenha desistido de (tentar) ridicularizar Sarah Palin persistindo em criancices cada vez menos desculpáveis – prefere fazê-lo no 31 da Armada, onde não permite comentários e, por isso, não tem de me «ouvir»… Mas isto não é (muito) grave, ao contrário de, concretamente, juntar, aos dislates demagógicos a favor de democratas, mentiras sobre factos, utilizando-se ainda por cima o aberrante, abominável «aborto ortográfico». Aliás, são dois os blogs a quem eu faço (por enquanto…) o «obséquio» de mencionar em permanência no Obamatório que já capitularam perante os perversores da língua portuguesa. Lamentável, ridículo e vergonhoso.
Porém, há pior no que se refere a delírios e a disparates «tugas» a respeito dos EUA, e isso, inevitavelmente, é encontrado com frequência nos tugúrios «generalistas» esquerdistas. Não é de surpreender que: um comunista empedernido, mesmo que «enfeitado com fruta», não tenha a mínima ideia do que se passa realmente nos EUA; que um «gato» não consiga reconhecer um dos seus «donos ideológicos»; que alguém que se assume como «o terrorista» equiparasse republicanos aos talibãs, e que se revelasse como racista misógino; e que um grupo de pessoas que se assume como de «Esquerda Republicana» mostrasse a sua reduzida capacidade (e a desonestidade) intelectual, individual e colectiva, ao lançar acusações sem provas, ao (tentar) desvalorizar factos, a dar credibilidade a «estudos» fraudulentos, a acreditar que a Fox News «desinforma», a mostrar uma hipocrisia demente e mal-agradecida para com aqueles que os acolhem. No entanto, há que reconhecer e assinalar que também à direita há ingenuidades avaliativas, insuficiências informativas e desproporções opinativas sobre os EUA em geral e os conservadores em particular que não devem igualmente ficar sem resposta.         
Todavia, a gravidade da de(sin)formação atinge níveis verdadeiramente preocupantes quando é practicada por pessoas investidas de especiais responsabilidades, recursos e «respeitabilidades». Como professores e jornalistas.
Para o seu artigo «A ficção furiosa de Hunter S. Thompson», saído no Público em Dezembro de 2011, o jornalista Francisco Valente pediu a opinião de Teresa Botelho, professora e investigadora da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa, cujas declarações – ou algumas em especial, pelo menos – me levaram a contactá-la por correio electrónico e a escrever que «a senhora poderá ser, eventualmente, “especialista em estudos americanos” mas não é, de certeza, especialista em (conhecedora da) comunicação social norte-americana. E, claramente, não vê, não costuma ver - e, provavelmente, nunca viu - a Fox News. Se visse, não a colocaria ao mesmo (baixo) nível de um “jornalista” drogado e suicida. Então na FNC não há “moderação do riso”? Aconselho-a a ver um programa chamado “Red Eye”. E não duvide de que naquele canal se tem acesso à verdade - a de numerosos factos (acções, decisões, afirmações), erros, lapsos, que são omitidos, deturpados, e/ou, sim, desvirtuados em outros órgãos “inclinados à esquerda”, como a ABC, a CBS, a NBC, a MSNBC, a CNN, o New York Times, o Washington Post... Já ouviu falar dos casos “Fast and Furious” e “Solyndra”? São escândalos que abalam actualmente a administração de Barack Obama, mas dos quais poucas ou nenhumas referências encontrará, sem ser na FNC, naqueles media...» Respondeu-me a Prof.ª Botelho tentando explicar, esclarecer, o que havia dito, ao que eu ripostei que «pela sua resposta, mais fico convencido de que a senhora não vê, e possivelmente nunca viu, a Fox News. Se visse, nunca compararia... o que não é comparável, ou seja, um canal que emite 24 horas por dia com um programa que dura meia hora. São os admiradores de Jon Stewart que procuram no “The Daily Show” uma “confirmação dos seus pontos de vista”, porque, apesar da presença ocasional, rara, de um ou outro convidado não liberal (isto é, de esquerda), a tónica do programa é, claramente, assumidamente, criticar, combater, ridicularizar os conservadores. O próprio Stewart já admitiu que ele e a sua equipa passam horas todos os dias a verem a Fox à procura de material para construirem as suas sátiras... mesmo que se trate de pormenores insignificantes! E quando ocasionalmente fazem troça de democratas e “progressistas” é invariavelmente para criticarem os seus fracos desempenhos na defesa dos seus valores, não os valores propriamente ditos. Stewart é um humorista, não um jornalista; se dá factos é sempre com a sua interpretação, a sua “mundivisão”... Enquanto que na Fox, apesar de ter uma posição assumidamente pró-republicana, conta com a participação constante de democratas, entre trabalhadores permanentes, colaboradores e comentadores. E, se mais não aparecem, é porque não querem...»
Faço notar, novamente, que Teresa Botelho respondeu às minhas mensagens, e isto para diferenciar claramente o comportamento dela do de Nuno Galopim, jornalista do Diário de Notícias, que não o fez. Em Maio deste ano, no blog Sound + Vision que partilha com João Lopes (e onde não são permitidos comentários), decidiu divulgar e comentar uma gaffe – esta, sim, verdadeira (e «gravíssima»!) – d(a equipa da candidatura d)e Mitt Romney, que «transformou», numa aplicação informática, «America» em «Amercia». Escrevi-lhe: «é claro que eu sei que, no vosso blog (que, no entanto, considero excelente e vejo todos os dias), o Nuno e o João Lopes são claramente... tendenciosos, na “política externa” e não só. Aliás, há mais de dois anos, em Fevereiro de 2010, enviei para aí outra mensagem sobre um texto do João em que ele afirmava, mais ou menos, o seguinte: que bastava assistir às paródias de Jon Stewart sobre a Fox News para se perceber o que é e como funciona aquele canal de televisão. Obviamente, apontei e desmontei a falácia de tal “argumento”, inadmissível num jornalista, mas não só. E até hoje ainda “estou” à espera da resposta... Logicamente, Mitt Romney e os colaboradores da sua equipa de campanha sabem como se escreve “America”. Apesar de insólito, nada mais foi do que um erro que terá sido prontamente corrigido. Apesar da experiência e dos meios de que dispõem, não estão livres de, uma vez por outra, meterem uma “argolada” e das grandes (como esta). Eles não são perfeitos, e não alegam sê-lo. Mas o que eu gostaria de saber é porque é que o Nuno até hoje não referiu e não “reflectiu” sobre os muitos erros de Barack Obama & Cia. em termos de Geografia (é claro que há muitos outros relativos a diferentes “áreas do saber”), e muito mais graves do que escrever «Amercia». É por não os conhecer ou por, conhecendo-os, optar por não os divulgar nem comentar? Dou só alguns exemplos... o presidente já disse: que havia visitado “57 Estados” dos EUA; que o Havai é na Ásia; que existe a “língua austríaca”; que a Europa é um país; que estava contente por estar no Texas... quando, na verdade, estava no Kansas. Além de ter escrito, ou pelo menos permitido, que, durante quase 20 anos estivesse numa sua biografia oficial (fornecida pela sua agente literária) que ele havia “nascido no Quénia”. Deixo-lhe um “desafio”: o de descobrir porque é que estes “insignificantes” lapsos nunca se tornaram “anedotas virais que correram o mundo digital nas mais variadas formas e variações”.» 

4 comentários:

Nuno Gouveia disse...

Caro Octávio Santos,

Pode não concordar com a minha opinião de Sarah Palin, mas já não pode dizer que escrevo de acordo com o Acordo Ortográfico, o que não é verdade. Sendo um blogue colectivo um espaço de liberdade, cada um escreve como entende. É o que acontece no 31 da Armada. Há pessoas que utilizam o AO e outras que não o fazem, que é o meu caso. Aliás, nesse post que cita poderá ver isso, como por exemplo na palavra jacto, que segundo o AO se deve escrever jato.

No 31 da Armada não permito comentários, porque a minha experiência no blogue diz-me que simplesmente não vale a pena, pois a maioria são spam ou comentários que nada têm a ver com o que escrevo.

Cumprimentos.

antonio disse...

Tem toda a razão Octávio, os "estudos" e análises de alguns "especialistas" e ,ou, "jornalistas"são fruto de uma chocante desonestidade intelectual, muito em voga actualmente. Um dos aspectos que me irrita profundamente resulta do hábito de se confundir opiniões com factos! O comentário do Nuno Gouveia é um exemplo típico deste fenómeno. Uma coisa é a opinião que o dito tem sobre Sarah Palin, outra é a tentativa de a partir de essa "opinião",que mais não é do que um ponto de vista, tentar criar um facto. Um facto é algo verificável e objectivo!Como diz o ditado popular Americano "opinions are like arse holes, everybody has one!"ao que eu acrescento; "but you dont have to be one!"

Cumprimentos

OCTÁVIO DOS SANTOS disse...

Caro Nuno Gouveia, dois comentários... ao seu comentário.

Primeiro, o assinalar que, finalmente, e precisamente, deixou um comentário aqui no Obamatório!..

... E, segundo, que esse comentário se deva a um equívoco seu. Se ler bem o que escrevi, irá reparar que não é você em particular, e o Era uma Vez na América em geral, que eu «acuso», e critico, de/por usar o abominável AO90 - eu sei bem que não o faz, e saúdo-o por isso. Estou a referir-me, claro, ao EUA2012 (a um dos seus dois autores, especificamente) e ao Casa Branca.

Cada vez tenho menos dúvidas de que aquilo que, nestas matérias, nos «afasta», é unicamente a diferente apreciação que fazemos das mulheres conservadoras americanas em geral, e de Sarah Palin em especial. E é por isso que não me «conformo» com a sua atitude neste assunto.

Cumprimentos... e boa estadia na Flórida, apesar do clima...

Nuno Gouveia disse...

Percebi mal então a sua afirmação. As minhas desculpas. Eu não tenho problema nenhum com as mulheres conservadores. Alias, gosto bastante de algumas, como Nikki Haley, a Ann Romney, até a Kelly Ayotte, que ontem por acaso teve um discurso fraquinho, a Condoleezza Rice que vai falar hoje, etc. Não tenho é grande consideração por duas: Sarah Palin e Michele Bachman. E essa é uma divergência :)

Cumprimentos.