terça-feira, 21 de junho de 2022

Crónicas da Comuno-Confederação (Parte 2)

«Matando o Keystone XL – Como Biden destruiu a independência energética americana», Ben Graham e Eric Scheiner; «A Amazon apoia a morte da democracia na escuridão», Tim Graham; «O ano (de porcaria) que acabámos de viver», Dennis Prager; «Mais governo, menos religião – A doutrina progressista», Star Parker; «Joe Biden acabou de ter o pior primeiro ano de qualquer presidente na história moderna?», Mike LaChance; «Um ano depois, mais perguntas subsistem sobre 6 de Janeiro», Julie Kelly; «Os democratas tomaram o controlo e o Covid ficou pior», Eddie Scarry; «A cobertura do aniversário de 6 de Janeiro pelos media corporativos tem tudo a ver com silenciar republicanos», John Daniel Davidson; «Os “especialistas” em saúde finalmente admitem que as máscaras controlam as pessoas, não os vírus», Kylee Zempel; «As grandes tecnológicas lançam no ano novo outra purga de dissidentes políticos», Tristan Justice; «Os falhanços de Biden mostram que os democratas estão nos cargos mas não realmente no poder», Christopher Jacobs; «A histeria com 6 de Janeiro é como os media e outros democratas estão a evitar a sua responsabilidade na adulteração da eleição de 2020», Mollie Hemingway; «Autêntica democracia, e quatro outras coisas que a esquerda chamou de “ameaça à democracia” além de 6 de Janeiro», Elle Reynolds; «O assalto à democracia feito por um super-advogado de esquerda», Jerry Dunleavy; «A prioridade de topo dos democratas antes das eleições do Outono é adulterar as regras de votação dos Estados Unidos», Jonathan S. Tobin; «Porque é que a classe dominante da América é tão incompetente», Nathanael Blake; «Fronteiras abertas = sabotagem eleitoral», Michelle Malkin; «A tomada das regras de votação pelos democratas é uma ameaça à democracia», Marco Rubio; «Como Biden está a trabalhar para salvar o oleoduto de Putin», Josh Rogin; «A investigação sobre 6 de Janeiro de que necessitamos é uma à ocupação militar ilegal de Washington D.C.», Mick McGuire; «Os esforços do Pentágono para arrancar pela raíz o “extremismo” político ignoram quase inteiramente a esquerda», Elaine Donnelly; «Alguns votos não deveriam contar», Sean Ross Callaghan; «A grande re-classificação está aqui», Ben Shapiro; «Porque é que lutar contra narrativas raciais divisivas é uma necessidade patriótica», Jeremy S. Adams; «Os democratas estão a usar o motim no Capitólio para caçar inimigos políticos e não ameaças reais», Miranda Devine; «O ataque de Biden aos direitos dos eleitores ultrapassa de longe as alegações de Trump quanto à eleição de 2020», Margot Cleveland; «Não importa que os eleitores odeiem Joe Biden se os democratas podem adulterar eleições», Bob Anderson; «É oficial – É bom ser racista se é a esquerda a forçar mandatos por causa do Covid-19», Brian Gottstein; «O que é que Vladimir Putin tem sobre Joe Biden?», Lee Smith; «Diversidade, Inclusão e Equidade (DIE) militar faz justiça ao seu acrónimo», Kurt Schlichter; «A fraqueza de Biden leva o caos aos Estados Unidos e ao Mundo», Liz Peek; «Cidades doentes e porque os progressistas as arruínam», John Stossel; «Os jornalistas de Hollywood protegem as estrelas liberais delas próprias», Christian Toto; «A (contínua) crise na fronteira», Byron York; «A prontidão da aviação militar americana teve uma queda por entre um foco em políticas “acordadas”», Kay Smythe; «Acorda,América! – Aqui estão as 10 acções do regime de Biden que propositadamente magoam a América e ameaçam o futuro das suas crianças», Joe Hoft; «Como a censura da história sobre o computador de Hunter Biden ajudou Joe Biden a vencer», Ian Haworth; «O rebaixamento das nossas classes profissionais e políticas», Victor Davis Hanson; «Os problemas de Joe Biden amontoam-se», R. Emmett Tyrrell Jr.; «O comportamento bizarro de Biden deveria alarmar todos os americanos», Joseph Curl; «Propaganda governamental, estilo americano», Cal Thomas; «É tempo de acabar com as dádivas económicas às corporações “acordadas”», Josh Hawley; «Só o fascismo na Internet pode salvar a democracia», Daniel Greenfield; «Reféns de um culto», Erick Erickson; «É tempo de abandonar um governo federal irremediavelmente corrupto que facilita a destruição da América por Biden», Lawrence Sellin; «Devemos confrontar a bagunça cultural que nos deu Uvalde», Kaylee McGhee White; «Biden e Obama exploram a tragédia para ganho pessoal e político», Charles Hurt; «Recordar – Os media que amam o aborto abraçam uma cultura de morte», Jeffrey Lord; «É Biden o pior presidente na história dos Estados Unidos? Ele está a fazer o seu melhor para merecer o título», David Krayden; «Os democratas não são sérios sobre proteger você», Tucker Carlson; «O Blitzkrieg de Biden – Biden está a destruir os EUA tão rapidamente como os nazis sob anfetaminas», Wayne Allyn Root; «Media – Aquilo contra o qual avisámos em 2018 é agora uma teoria da conspiração em 2022!», Emerald Robinson; «A verdadeira meta do comité j6 é difamar e envergonhar os conservadores até que saiam da esfera pública», Jim Jordan; «O mais recente abuso de poder de Biden fará a energia mais cara», David Harsanyi; «Se o controlo de armas funcionasse as cidades dirigidas pelos democratas não seriam zonas de guerra», John Nolte; «Sete novos escândalos de Hunter Biden que as televisões se recusam a reportar», Geoffrey Dickens; «Estamos a encarar a tirania de frente», Mark Levin; «Os democratas criam uma crise, fazem-na pior e chamam-lhe progresso», Steve Hilton; «O desmascarado embuste da Rússia de Clinton em 2016 foi muito pior do que o que aconteceu a 6 de Janeiro de 2021», Jordan Boyd; «Trump fez previsões assustadoramente certeiras sobre o que aconteceria se os democratas tomassem o poder», Brandon Morse; «O pedido de desculpa da NSBA pela carta comparando pais a terroristas não parou o FBI na sua perseguição à liberdade de expressão», Olivia Hajicek; «A pessoa que agora mesmo está realmente a conduzir o país», Jesse Waters; «É isto um indicador de uma onda encarnada que se aproxima?», Greg Gutfeld; «Houve uma insurreição, mas não foi a 6 de Janeiro», Ari Hoffman.